Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Patuscada

A cozinhar enquanto conto umas histórias e mando umas larachas que não são bem histórias.

Patuscada

A cozinhar enquanto conto umas histórias e mando umas larachas que não são bem histórias.

De migalhas a migas

por Renato, em 16.05.17

iPhone - Foto 2017-05-13 12_38_13.jpeg

 

“Esmigalhar” é um termo que eu aprecio.

 

Não é um termo particularmente bonito ou usual. Não é, de todo, um termo que eu inclua no meu dia-a-dia. Podemos até dar-lhe uma conotação negativa numa qualquer troca de galhardetes mas nem aí provocaria um grande impacto.

 

“Vou esmigalhar-te todo!”, ninguém diz isto. Se o disserem, bem… Pelo menos não digam “top”.

 

Já se eu disser “Vou desfazer-te todo!” já soa melhor; acho que até um simples “Vou reduzir-te a migalhas!” ficaria bem.

 

Lutas de egos deste género só as tenho contra o pão. Só contra ele é que faz sentido. No fim de contas estamos só a falar de migalhas…

 

O pão é um alimento base da gastronomia alentejana e aqui falo por experiência própria. O pão às refeições - mesmo todas - vem a acompanha-me desde cedo. Os meus pais, os meus tios e os meus avós, todos eles são frenéticos fãs de pão, excepto quando estão de dieta.

 

Açorda, ensopados, caldos, gaspachos ou migas. Tudo com pão e tudo devidamente saboroso.

 

Seja pão fresco, seja pão de ontem ou seja qual for o pão há sempre boas soluções para o pôr no prato.

 

Foi em memória às migas do meu tio Guilherme que decidi pegar num pão de centeio de ontem para fazer umas migas de bacalhau e espinafres.

 

Assim, piquei uns bons 4 dentes de alho e refoguei numa boa quantidade de azeite - atenção que vão precisar de bastante azeite para esta receita.

 

iPhone - Foto 2017-05-13 12_21_43.jpeg

 

Entretanto, ensopei o pão em água quente e escorri, tirando todo o excesso de água.

 

iPhone - Foto 2017-05-13 12_25_19.jpeg

 

Quando o alho estiver bem loiro, o pão segue para a frigideira e sejam generosos a fritar o pão. Quanto mais dourado - não queimado! - melhor!

 

iPhone - Foto 2017-05-13 12_31_51.jpeg

 

Mexi o pão na frigideira e quando o vi suficientemente dourado, deitei o bacalhau desfiado, que precisa apenas de uns 5 minutos no lume alto da frigideira.

 

iPhone - Foto 2017-05-13 12_33_49.jpeg

 

Por fim, já com o lume desligado, deitei os espinafres, mexi e deixei cozinhar no calor residual.

 

iPhone - Foto 2017-05-13 12_36_35.jpeg

 

A cozinha alentejana é simples, cheia de sabor e história.

 

Há que aproveitar!

 

Vejam em

www.instagram.com/patuscada_by_renato_reis

www.facebook.com/patuscadablog

www.patuscada.blogs.sapo.pt

 

Outono, és tu?

por Renato, em 11.10.15

iPhone - Foto 2015-09-24 20_19_42.jpeg

Desculpem a demora, estava á espera do Outono!

Aguardava, aliás, por Outubro. Este é o mês que eu associo, realmente, ao Outono e também é um dos meses que eu mais gosto - não só porque é o mês do meu aniversário (Alerta Modo Narcísico) - porque é o mês em que mais gente conhecida celebra os anos - não temos todos um mês como este? -; porque é o mês em que ainda faz sol e, ao mesmo tempo, um frio confortável; e porque é o mês da comida com castanhas e batatas-doces.

Quando penso nisto, a reação imediata é ligar o forno para aquecer a casa e, ao mesmo tempo, colocar qualquer coisa lá dentro.

Este Outono que Outubro nos traz tem coisas interessantes por onde se pegar. Há quem diga que o Verão e o Inverno são os extremos das quatro estações do ano, mas os Chineses não pensam assim: diz-se que, para eles, há uma polaridade sazonal bem diferente da nossa, isto é, um Outono que simboliza adversidade e uma Primavera que simboliza regeneração. Em Inglês, há ainda duas formas de tratar o Outono e eu acredito que é por ser uma estação polifacetada, tal como o próprio clima que é característico dela: “Autumn” ou “Fall”. Há quem diga que “Fall” vence “Autumn” em todos os sentidos, por ser um nome mais curto, mais poético e mais pitoresco.

A favor do Outono, na cozinha ligou-se o forno para fazer a bendita da batata-doce; também se ligou o fogão em lume brando e deu-se forte no slow cooking.

Num tacho grande e sem medos, comecei por fazer uma cama de cebola, louro e pimenta não moída.

iPhone - Foto 2015-09-24 19_27_37.jpeg

Tirei a pele a 1 grande batata-doce e cortei às rodelas, todas do mesmo tamanho, e com a grossura de um dedo.

Fiz uma cama de batata-doce por cima da cebola.

iPhone - Foto 2015-09-24 19_32_58.jpeg

Coloquei por cima da batata-doce, duas postas de bacalhau bem grossas.

Não precisei de sal porque sabia, à partida, que o bacalhau já era salgado.

iPhone - Foto 2015-09-24 19_35_08.jpeg

No entanto, tal como já vos tinha dito, algo assim pede pimenta e eu coloquei bastante pimenta.

Lume brando, 40 minutos.

iPhone - Foto 2015-09-24 20_14_37.jpeg

iPhone - Foto 2015-09-24 20_20_05.jpeg

Entretanto, tinha batatas-doces no forno para a sobremesa.

FullSizeRender (2).jpg

E por hoje foi tudo, sem muito trabalho, como requer um bom Domingo.

Bons cozinhanços!

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D

Favoritos