Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Patuscada

A cozinhar enquanto conto umas histórias e mando umas larachas que não são bem histórias.

Patuscada

A cozinhar enquanto conto umas histórias e mando umas larachas que não são bem histórias.

O chocolate está a acabar?

por Renato, em 07.02.15

Se o chocolate está a acabar eu ainda não notei. Pelo sim ou pelo não, hoje gostava de fazer uma Ode ao chocolate, mas não tenho lá muito jeito para escrever Odes. O que posso fazer em relação ao chocolate é falar sobre ele, mas como só falar é ingrato para os sentidos, terá que se tratar por tu de outra forma.

O chocolate vem do cacaueiro. Quem pôs o nome cacaueiro à árvore que dá o cacau, deu-lho bem: cacaueiro, que em latim se diz theobroma cacao, significa "alimento dos deuses". Já lá dizia Álvaro de Campos: "(...) Olha que não há mais metafísica no mundo senão chocolates.". Quando como chocolate, por si só, não descubro a essência do meu ser ou qualquer coisa que se pareça, no entanto, é uma coisa meio viciante, meio prazerosa e meio simples de se provar; é quase como se o chocolate subisse a um palco qualquer para tocar um bocado de blues ao longo de toda a noite e no final fossemos para casa bem abrigados e quentes nessa noite de Inverno rigoroso.

Normalmente, naqueles dias em que estou triste e insatisfeito com a vida, vou dar uma volta para procurar a felicidade... Normalmente, volto para casa com cinco caixas de chocolate.

Este bolo que hoje fiz não foi uma busca de felicidade, foi mesmo um momento de gula desenfreada. Venderam-me uma receita de bolo de chocolate e quando se está no trabalho ao fim do dia, quase todas as propostas de eventos que pressuponham comida são tentadoras. Foi o que aconteceu...

Num tacho em lume brando juntei 6 gemas, 200 g de açúcar, 100 g de manteiga -  fui mexendo; quando tudo ficou com um tom amarelado e uniforme juntei 250 g de chocolate para derreter -  mexi até formar um grande buraco negro de comer à colher.

IMG_3202.JPG

Juntei 50 g de farinha ao buraco negro.

À parte bati as claras em castelo e depois juntei-as ao buraco negro; envolvi bem devagar.

IMG_3203.JPG

Foi ao forno a 200º - é importante que o forno já esteja a esta temperatura - durante 12 minutos - ou 15 minutos, dependendo do forno.

IMG_3204.JPG

A ideia é ficar com a crosta por cima, bem mole por dentro e mais líquido noutros no meio. Este meu não ficou líquido, mas ficou bem mole... Menos um ou dois mínutos no forno não lhe tinham feito nada mal.

Não ficou bonito depois de o desenformar, ficou meio trapalhão. Neste aspecto, posso alegar que, há uns dias atrás, ouvi que comida não é para olhar, é para comer.

Foi o que fiz.

Bom fim-de-semana!

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D

Favoritos